Fisioterapia na condropatia patelar

Quais são os tratamentos para a condropatia patelar?

A condropatia patelar e a dor patelofemoral podem ter inúmeras causas. Por isso, é imprescindível uma análise minuciosa do paciente, avaliando as possíveis fraquezas musculares, as alterações anatômicas e morfológicas, entre outras questões.

Saiba mais sobre a condropatia >

Os graus da condropatia patelar

Outra informação importante que deve ser analisada é em relação ao grau da condropatia patelar. Ele pode variar em:

  • grau 1: existe apenas um “amolecimento” da cartilagem e presença de edemas;
  • grau 2: a cartilagem apresenta pequenas fissuras e fragmentações;
  • grau 3: essas fissuras e fragmentações já são maiores;
  • grau 4: o osso abaixo da cartilagem está exposto.
fisioterapia na condropatia

Os tratamentos mais comuns

O tratamento visa promover ganho de força e flexibilidade muscular, oferecer maior estabilidade articular, melhorar a consciência corporal do paciente, reduzir a dor e a inflamação e garantir um retorno às atividades de forma adequada, com uma total reabilitação.

Analgesia

Pacientes em uma fase aguda podem não conseguir realizar os exercícios propostos. Por isso, nesse momento é importante reduzir a dor e o edema no joelho afetado.

Algumas opções de analgesia são: o TENS, o ultrassom (em uma fase subaguda ou crônica), a crioterapia e a terapia manual.

Bandagens ou Kinesiotaping

Podem auxiliar no tratamento, já que a fita em contato com a pele oferece estímulos sensoriais importantes, capazes de melhorar a comunicação com os tecidos profundos, além de ativar os mecanorreceptores que ficam na derme e na epiderme.

Esses receptores são os responsáveis por informar sobre eventos capazes de afetar a biomecânica do movimento, corrigindo as questões.

Com esse método, pode-se conseguir: redução da sensação de desconforto e da dor, correção de desvios articulares, aumento da propriocepção e auxílio na contração muscular.

Liberação miofascial

A liberação miofascial busca promover o relaxamento dos pontos de tensão da musculatura causados por alterações na fáscia. Quando o fisioterapeuta realiza a pressão, ocorre uma isquemia; ao retirar a pressão, o fluxo de sangue no local aumenta, melhorando a oxigenação e promovendo o relaxamento muscular e o alívio da dor.

Essa técnica pode ser usada para melhorar a flexibilidade e a mobilidade articular, garantindo uma execução mais adequada dos movimentos, além de reduzir a sobrecarga e a tensão da musculatura na articulação.

Alongamento

É fundamental para oferecer maior ganho de flexibilidade às fibras musculares, além de amplitude de movimento. É possível realizá-lo de forma passiva ou ativa, porém sempre deverá ser feito um alongamento global da musculatura.

Nos casos de condropatia patelar com ângulo Q aumentado (joelho valgo) é preciso uma atenção maior aos músculos:

  • quadríceps;
  • adutores e abdutores;
  • ísquios tibiais;
  • trato iliotibial;
  • glúteos médio e máximo.

Fortalecimento muscular

O fortalecimento de toda a musculatura envolvida é um dos pontos fundamentais de qualquer tratamento para a condropatia patelar. Mas é importante que o fisioterapeuta faça uma análise global do paciente e não apenas do seu joelho.

Os músculos que devem ter maior atenção no tratamento são:

  • glúteo médio e máximo: ajudam a oferecer uma maior estabilidade ao quadril e à articulação do joelho, evitando o valgo dinâmico em atividades que exigem o apoio em um pé só;
  • quadríceps: com atenção especial ao vasto medial, responsável por equilibrar as forças que agem na patela, reduzindo a lateralização, além de recuperar a potência do membro inferior.

Conheça a análise cinemática da marcha >

Alguns exercícios que podem ser realizados para esses objetivos são:

  • ativos livres sem ou com carga, com o paciente em pé, sentado ou deitado;
  • ativos resistidos, com resistência causada por aparelhos, elásticos ou força manual;
  • isométricos com carga ou sem, com o paciente sentado ou deitado;
  • exercícios combinados de propriocepção e de força;
  • mecanoterapia, tendo atenção à angulação.

Sempre iniciar os exercícios com opções de baixo impacto e em um ritmo leve. O nível de dificuldade deverá ser aumentado aos poucos, de acordo com o grau da lesão e a evolução demonstrada pelo paciente.

Pilates

O Pilates age promovendo o alinhamento da patela e melhorando o equilíbrio muscular de todo o corpo do aluno. Nos casos específicos de condropatia patelar é possível pensar em treinos com exercícios de alongamento e mobilização, potência e força do membro inferior.

Saiba mais sobre pilates >

De forma geral, é essencial promover o alongamento dos ísquios tibiais, além de dar uma atenção especial ao quadríceps, aos glúteos e as panturrilhas (tríceps sural).

Referências

– Síndrome da dor fêmoro-patelar: implicações para a fisioterapia
Como tratar a condropatia patelo-femoral?

Compartilhe essa informação!
Fisioterapia Brasília DF
Fisioterapia Brasília DF

Clínica Salus Ortopedia, Fisioterapia e Acupuntura em Brasília-DF. Tratamentos fisioterápicos completos, com reeducação postural global e Pilates. Possuímos protocolos exclusivos para afecções do joelho e quadril, baseados na análise cinemática da marcha pelo Instituto Trata.

No Comments

Escreva uma Mensagem ou Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *